Meus livros na UICLAP

O melhor que nós temos

Malu chegou aos trinta e ao acordar, percebeu que nada mudou. NADA. MESMO. A sua casa continuava uma bagunça, sua irmã ainda estava no quarto ao lado, a ressaca continuava ali, ela estava sentindo uma fome sem igual, seu telefone continuava no silencioso e bem, tudo parecia normal. Era mais um domingo, mais um dia nove de fevereiro, mais uma semana estava para começar e nada. Simplesmente nada. “T

Saiba mais